A Educação de Jovens e Adultos no Brasil e a Influência de Paulo Freire

Bem vindo ao Blog de discussão sobre Paulo Freire e a EJA no Brasil.

Esse blog foi criado no contexto das aulas de Temas Fundamentais das Ciências da Educação do curso de Pedagogia Noturno na UFMG no primeiro semestre de 2010, com o objetivo de compreendermos a influência desse educador nas práticas educacionais de EJA no Brasil e no uso de tecnologias como recurso didático na EJA, particularmente na região metropolitana de Belo Horizonte.

O que é o método Paulo Freire

RESENHA

O método proposto por Paulo Freire na década de 60 é criado a cada vez que se usa. Entende-se como um método de alfabetização construído juntamente com o aluno, depois de contextualizar a sua história de vida. Ele educa enquanto se constrói e, portanto é um processo de prática da educação popular. Paulo Freire discutiu antes mesmo de propor o método uma nova forma de pensar a educação. Suas idéias fazem repensar o homem em todo seu contexto social, cultural e analisar o ensinar-aprender a ler e escrever de um jeito mais humano.


A educação popular aliada ao método Paulo Freire tinha um papel fundamental na sociedade brasileira na década de 60, momento em que a população se encontrava tão carente de conhecimento e prestes a se libertar para o mundo. As práticas pedagógicas usadas segundo a fala de Paulo Freire o sujeito deveria ser educado de dentro para fora e isto era sinal da libertação do homem. Mas a nova prática de aprendizagem-leitura dava ao sujeito liberdade para ler e escrever, porém para que esta escrita fizesse sentido maior deveria ter um caráter crítico e socializador que analisasse o contexto político, social e individual de cada um. Ai sim poderiam fazer a educação como prática de liberdade.

Freire aplicou seu método no estado do Recife pela primeira vez. Ele pegou 5 alunos 03 aprenderam a ler e escrever em 30 horas e os outros 02 desistiram antes de terminar o curso. No prazo de 45 dias alfabetizaram-se 300 trabalhadores, João Goulart, presidente na época, chamou Paulo Freire para organizar uma Campanha Nacional de Alfabetização. Essa campanha tinha como objetivo alfabetizar 2 milhões de pessoas, em 20.000 círculos de cultura popular, e já contava com a participação da comunidade. Mas com o Golpe de 64 toda essa mobilização social foi reprimida, Paulo Freire foi considerado subversivo, foi preso e depois exilado no Chile. No lugar deste grande projeto surgiu o MOBRAL (Movimento Brasileiro de Alfabetização) uma iniciativa para a alfabetização que visava apenas o ensinar a ler e a escrever sem uma preocupação maior com a formação do ser humano. Projeto totalmente contrário ao ideal freiriano.

Paulo Freire pensou que um método de educaçao construído em cima da idéia de um dialogo entre educador e educando, não poderia começar com o educador trazendo pronto a sua fala. O propósito principal é que a educação é um ato coletivo, há sempre educadores-educando e educandos-educadores. Já a cartilha, utilizada antes do método, é um saber abstrato, pré-fabricado, imposto e decorado.

É preciso pensar o universo em que os educandos vivem a cultura em que estão inseridos, o lugar de trabalho, levantar dados juntamente com a comunidade a ser educada e construir a alfabetização a partir do conhecimento de suas realidades para somente depois aprofundar na formaçao de novas palavras, novos conhecimentos.



“o contato inicial e direto que estabelecemos com a comunidade é durante a pesquisa do universo vocabular – etapa realizada no campo e que é a primeira do sistema Paulo Freire de Educação de Adultos... Não é uma pesquisa de alto rigor científico, não vamos testar nenhuma hipótese. Trata-se de uma pesquisa simples que tem como objetivo imediato a obtenção dos vocabulos mais usados pela população a se alfabetizar”. (Conscientização e Alfabetização) (FREIRE, apude BRANDÃO,1981, p.25)

A partir da busca de novas palavras com os alfabetizandos surge o processo de conscientização e compreensão do mundo. Este método orientado pelo alfabetizador dentro do “círculo de cultura” tem por objetivo ativar a participação de todos os envolvidos em um debate sobre suas vivências culturais. A prática de estudo no círculo, muito mais que ensinar a ler-escrever, irá produzir modos próprios de coletividade, solidariedade, trabalho em equipe e como pensar uma educação para todos.

Referência Bibliografica:

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é -  Método Paulo Freire. Brasiliense, 1981.


(Publicado por Cristiane de Campos Ribeiro – Graduanda em Pedagogia UFMG)

5 comentários:

  1. apena que a ideia deste homem foi deturpada
    pois hoje vejo trabalhando com jovem
    e adulto professores que não tem comprometimento em formar
    um cidadão critico

    ResponderExcluir
  2. adorei ler seu artigo,pois estou precisando de um tema p meu tcc

    ResponderExcluir
  3. Amei seu artigo!!Comecei a estudar sobre este grande mestre e já me tornei uma mega fã.Trabalho numa escola estadual em M.S,sou faxineira e estudante de Pedagogia,e é impossível não fazer observações e comparações.Parabéns!!

    ResponderExcluir