A Educação de Jovens e Adultos no Brasil e a Influência de Paulo Freire

Bem vindo ao Blog de discussão sobre Paulo Freire e a EJA no Brasil.

Esse blog foi criado no contexto das aulas de Temas Fundamentais das Ciências da Educação do curso de Pedagogia Noturno na UFMG no primeiro semestre de 2010, com o objetivo de compreendermos a influência desse educador nas práticas educacionais de EJA no Brasil e no uso de tecnologias como recurso didático na EJA, particularmente na região metropolitana de Belo Horizonte.

Educação como prática da Liberdade

RESENHAS

EDUCAÇÃO E POLITICA

A proposta desse ensaio sobre Paulo Freire é mostrar os objetivos principais de sua visão pedagógica e de seu “método” de ensino. Para Freire na prática pedagógica a teoria não é só uma construção das circunstâncias. E a busca da liberdade na pedagogia tem uma posição central, é ela que dá sentido a participação critica dos educandos no processo de aprendizagem.

Freire também propõem que no processo de alfabetização, os educadores devem ter sempre respeito aos educandos, considerando-os alfabetizandos e nunca de analfabeto, e a conscientização é um processo que não se separa da alfabetização. O ato de adquirir o conhecimento da cultura escrita só fazem sentido se possibilitar mudanças reais no modo de ser, de agir e no destino dos homens. Uma metodologia sugerida aos educadores no inicio do processo de alfabetização é a apresentação de gravura e imagem sem palavras para gerar debates acerca da noção de cultura e trabalho. Ele sugere também o trabalho com palavras geradoras fazendo sempre referências reais estabelecendo um ambiente que se organiza em circulo de cultura que promove a prática livre e critica.

A grande preocupação de Paulo Freire, assim como na pedagogia moderna, é a construção de uma pedagogia que possibilite ao educando condições reais de tomar decisões sociais e políticas. Para ele a idéia de liberdade só faz sentido se for um desejo do povo e o processo de democratização e da liberdade são conquistas que, só se efetivam através de lutas das classes populares, uma vez que o objetivo das elites é acomodar e domesticar as classes populares.

Na América Latina nas ditaduras militares com o fantasma do comunismo, as classes dominantes não permitiam o surgimento de qualquer possibilidade de governos democráticos. No Brasil como em qualquer outro país do continente sul americano a educação era vista pelas classes dominantes como uma forma de conseguir o progresso, na qual as classes populares deveriam ser privadas do acesso ao ensino de qualidade.

Segundo Freire apesar do populismo ter vinculações com as classes populares, os membros do populismo pertenciam às elites e governavam fazendo uma ponte entre as elites e as classes populares. O principal interesse era o voto e havia uma distancia entre a promessa e a realização efetiva. Mas no populismo ouve um certo grau de mobilização democrática principalmente em relação ao relativo deslocamento dos interesses oligárquicos e na preservação da vida urbana.

A pedagogia de libertação possibilita aos educandos a conscientização e compreensão das estruturas sociais. E a educação só faz sentido quando as pessoas conseguem fazer uma análise critica das alternativas políticas apresentadas pela elite, dando a liberdade de escolher seus próprios caminhos.

Paulo Freire acreditava não ser possível a existência da educação fora da sociedade e cultura humana. A educação não se dá no vazio. Ele visava também a construção de uma sociedade para o sujeito e que o ideal da educação seria a que conseguisse respeitar a vocação de cada um e pudesse ser aceita pelas elites, cujas seus interesses estão pautados na alienação.

O problema do desenvolvimento econômico com a participação das classes populares no Brasil em busca de uma democratização fundamental, tem raízes histórico cultural. A contribuição do educador brasileiro neste contexto é tentar fazer a transição da formação educacional ingênua para uma educação critica. Dessa forma a educação só faz sentido quando der condições ao homem de se tornar cada vez mais consciente de sua transitoriedade que deve ser aliada a critica. Para isso precisa de uma educação que tenha coragem de discutir os direitos do homem comuns na sociedade. E principalmente que proponha a mudança de atitudes.

O processo de democratização está aliado ao processo de criticidade, pois à medida que os grupos humanos vão se tornando mais críticos vão se tornado também conscientes de sua realidade, e em condições de tomar decisões que contribua para o processo de democratização. A educação proposta por Paulo Freire é uma educação como um ato de amor que não deve fugir aos debates, na qual as discussões acercam da realidade deve está presente formando homens que se integre no processo de democratização.

A preocupação com a democratização da cultura exige, dentro do contexto do Brasil, pensar na necessidade de oferecer uma educação de qualidade para todos. Uma educação que em seu trabalho tentassem “transformar” a ingenuidade em criticidade dentro do processo de alfabetização. Uma educação que se pautassem na realidade dos educando fazendo a ponte entre o conhecimento escolar e suas experiências existenciais. Uma educação que construíssem uma visão critica, na qual os educando tivessem consciência dos fatos e das coisas que os cercam baseando na visão científica. Construir uma pedagogia de comunicação que consiga fazer o diálogo entre os saberes escolares e a realidade social dentro de uma visão critica. Fazer os alfabetizandos perceberem o valor da cultura e o seu papel ativo na construção cultural.

Na aprendizagem da escrita o aluno deve aprender a ter consciência que o processo de se comunicar graficamente não é um processo de mera memorização, cada palavra (geradora) utilizada na alfabetização deve fazer parte do contexto social dos educandos, para que a alfabetização de jovens adultos não seja um ato de memorização mecânica, mas tenha sentido com as suas vivencias sociais.

Link de acesso a resumos e livros:
http://www.bocc.uff.br/pag/nascimento-roberia-educacao-como-pratica-da-liberdade.pdf


(Publicado por Elane Alves de Souza - Graduanda em Pedagogia da UFMG)

Um comentário:

  1. Eliane, estou respondendo um questionário que aborda o processo de democratização cultural e eu queria aprofundar o assunto. Encontrei seu artigo que muito me ajudou na compreensão...)Parabéns pelo artigo, o mesmo está muito cloro.

    Dores - Barra Mansa - RJ

    ResponderExcluir